Adonay Felipe Nogueira adfeno@identi.ca

Balneário Camboriú, Santa Catarina, Brazil

https://libreplanet.org/wiki/User:Adfeno

  • I'm almost falling in love with Pump.io

    2017-04-13T23:30:05Z via Pumpa To: Public CC: Followers

    Got an Org mod HTML export? No problem, Pump.io accepts it, so I can effectivelly write some blog-like Org documents and just paste to Pump.io when ready... Neat! :)
    It accepts even tables! :)

    Adonay Felipe Nogueira at 2017-04-13T23:30:38Z

    >> Adonay Felipe Nogueira:

    “It accepts even tables! :)”

    Yes, quite simply, it uses HTML =)

    JanKusanagi at 2017-04-13T23:45:39Z

    Yeah.... In Diaspora, it doesn't accept tables, and interface is heavy :(

    I'll stick to Pump.io as my preferred.

    Adonay Felipe Nogueira at 2017-04-14T11:10:58Z

  • Latin American libre software installation festival (Festival Latino-americano de Instalação de Software Livre, FLISoL) 2017 in Balneário Camboriú

    2017-04-13T19:41:19Z via Pumpa To: Public CC: Followers

    Latin American libre software installation festival (Festival Latino-americano de Instalação de Software Livre, FLISoL) 2017 in Balneário Camboriú

    1 Briefing

    April 8th, 2017 — Even with the rain in the morning and the dirty road being repaired, the Latin American libre software installation festival (Festival Latino-americano de Instalação de Software Livre, FLISoL) in Balneário Camboriú received 3 (three) visitors and 1 (one) speaker in the morning and 22 (twenty-two) visitors in the evening. From the 16 subscribed visitors, only 3 came to the event — not considering the collaborators and speakers.

    The event's goal is to foster the use of libre computer programs (software). However, the edition coordinated in Balneário Camboriú started with a presentation about the importance of the activists from the social, political and philosophical movement of libre software, so as to explain to society that the movement, acting in the social pillar of sustainability, doesn't require advanced knowledge in technology, but instead a society that cares for the movement's goals and that seek collaboration with it and its activities. As an example, the speaker presents the case of an accountant with color blindness and a problem related to the colors of an accounting software.

    According to the first speaker, Adonay Felipe Nogueira, it's important to note that there are various challenges to be won by society and by the movement, such as: the problem of gratis copies (which is not a synonym for freedom); the digital handcuffs in the majority of cellphones, tablets, on Blu-ray disks, and on Netflix; the income tax declaration which is still done by the majority of people with proprietary software; the websites and academic systems that force society to use automatically a proprietary software; the inertia caused by society; the bad digital inclusion; and also the blocking of communications, like the one which happens with some instant messaging applications.

    Adonay notes, with references that, while computer programs approach more and more to the day-to-day activities — as can be seen in electronic voting machines, vehicles and implantable cardioverter-defibrillators — society must disassociate brand names and organization names from products (goods or services) offered by such organizations or under such brands. This is needed because, according to the speaker and his references, the for-profit organizations has unpredictable behavior and, while they sometime fight for the society's interest, society mustn't depend on such organizations.

    On the unpredictability of organizations and the absence of the essential freedoms required by the movement, part of the public questioned the legality of such actions in Brazil. However, the second speaker, Cleber Machado Leão, notes that this is governed by the license applied to the original libre software.

    Additionally, Cleber notes that, even if some software, or network service, are gratis, society pays through other ways which most of the time it disagrees with.

    Fortunately, one of the challenges pointed out by the speakers appears to be slowly fought by society, thanks to institutions that teach, foster and make competence in libre software. According to Adonay, the teaching institutions must foster only libre software, because these are preparing individuals to act towards society's development, and the dependency on proprietary software goes against such living with society because this type of software is an untrusted material which might not be adequate to the future needs or become obsolete due to not being changeable or distributable by society.

    Besides, Adonay suggest the use of GNU Ring for instant communications because, differently from WhatsApp, GNU Ring is libre software and has distributed communication. Thus, each GNU Ring user is his own "availability provider", evading the blocking of communications done by part of the central providers.

    In the second talk, Cleber, describes the case of implementation of libre in the work tribunal of the 12th region (Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região, TRT12), in Santa Catarina, and how this implementation served as reference to the other regional tribunals in other federative unities.

    In the same talk, Cleber brings an interesting argument: According to him, when someone buys a proprietary software, the buyer solves one problem: the one which the vendor has, related to his loss of money, but this doesn't guarantee that the problem of the buyer is solved or that the acquired product will have the freedoms to be adapted by the buyer in the future according to his needs.

    Based on his work in TRT12, Cleber notes that the absence of libre software to manage advanced electronic signatures such as those in the PAdES standard, and which can communicate with the digital signature cards, can be considered as another challenge that must be fought by the movement with the help of society.

    On "cloud" computing, Cleber notes that this one doesn't exist, since it's only someone else's computer. And suggests that, instead of trusting other organizations to preserve these "clouds", it would be wise to form a local association of organizations that know each other, so that this association maintain its own private "cloud".

    Finally, both speakers agree that there is need to educate society about the importance of the movement, so that, even without technical knowledge, society can help out. All of this without omitting the explanations about the essential freedoms that society ought to have when using computer programs. Because only through these questions there is a way to guarantee a free and just/fair digital society and a social life towards sustainability.

    That said, the local event coordination ends this briefing thanking the space made available by the Avantis college (Faculdade Avantis) and the various course coordinators, teachers and students that supported, direct or indirectly, in the publicizing of the event.

    2 Statistic data

    Item Quantity
    Visitors 25
    External speakers 1
    Coordinators which were speakers 1
    Talks 2
    Workshops 0
    Successful installations 27
    Failed installations 5
    Item Available Successes Failures
    Libre system distributions 1 10 5
    Libre software 15 9 0
    Libre text fonts 1 5 0
    Libre color profiles 1 3 0
    Libre system distributions made available Successes Failures
    Trisquel 10 5

    The full list of libre system distributions can be found in two parts, at http://www.gnu.org/distros/free-distros.html and at http://www.gnu.org/distros/free-non-gnu-distros.html.

    Libre software made available Successes Failures
    7­zip 0 0
    Claws Mail 1 0
    Declara 0 0
    GNU Dia 1 0
    GNU GIMP 0 0
    GNU GnuCash 1 0
    GNU Guix 1 0
    GNU Health 0 0
    GNU IceCat 1 0
    GNU Ring 1 0
    IRPF Livre 1 0
    LibreOffice 1 0
    Pidgin 0 0
    rnetclient 0 0
    VLC 1 0
    Libre text fonts made available Successes Failures
    GNU FreeFont 5 0
    Libre color profiles made available Successes Failures
    "icc-profiles-free" package (23 profiles) 3 0

    all the software packages, color profiles, and text fonts are either registered on the Free Software Directory (https://directory.fsf.org/wiki/Main_Page), made available through libre system distributions, through Savannah (https://savannah.gnu.org/), or in the F-Droid application store (https://f-droid.org/repository/browse/).

    Failed installations of libre system distributions Quantity
    Visitor gave up due to manufacturer's absence of collaboration 3
    Not enough time 2
    Computers or pieces Successes Failures
    HP Elite Slice TPC-1021-DM 1 0
    MacBook 2,1 2 0
    MSI VR630-073FR 2 0
    Lenovo Yoga 2 Pro 20266 3 2
    Lenovo IdeaPad S10e 40684JG 2 3

    More information on the computers and pieces found, and how well these work with libre system distributions, can be found in the collaborative catalog called h-node at https://h-node.org/.

    Matteo Bechini likes this.

    Jorge shared this.

  • Festival Latino-americano de Instalação de Software Livre (FLISoL) 2017 em Balneário Camboriú

    2017-04-13T19:35:57Z via Pumpa To: Public CC: Followers

    Festival Latino-americano de Instalação de Software Livre (FLISoL) 2017 em Balneário Camboriú

    1 Relatório

    8 de abril de 2017 — Mesmo com a chuva do período da manhã e a estrada de terra em obras, o Festival Latino-americano de Instalação de Software Livre (FLISoL) em Balneário Camboriú recebeu 3 (três) visitantes e 1 (um) palestrante no período da manha e 22 (vinte e dois) visitantes à tarde. Dos 16 visitantes inscritos no evento, apenas 3 compareceram — desconsiderando os colaboradores e palestrantes.

    O evento objetiva fomentar o uso de programas de computador (software) livre. Porém, a edição coordenada em Balneário Camboriú iniciou com uma apresentação sobre a importância dos ativistas do movimento social, político e filosófico do software livre, a fim de explicar à sociedade que o movimento, atuante no pilar social da sustentabilidade, não requer conhecimento avançado em tecnologia, mas sim uma sociedade que se importe com os objetivos do movimento e que busque colaboração com este e suas atividades. Como exemplo, o palestrante cita o caso de um contador daltônico e um problema relacionado às cores de um software de contabilidade.

    Segundo o primeiro palestrante, Adonay Felipe Nogueira, é importante notar que existem diversos desafios a serem vencidos pela sociedade e pelo movimento, dentre eles: o problema da gratuidade (o que não é sinônimo de liberdade); as algemas digitais existentes na maioria dos celulares, tablets, nos discos Blu-ray e no Netflix; a declaração de imposto de renda de pessoa física que ainda é feita pela maioria das pessoas com software não livre; os sites na Internet e sistemas acadêmicos que forçam a sociedade a usar automaticamente um software não livre; a inércia social causada pela sociedade em geral; a inclusão digital ruim; além do bloqueio de comunicações, como ocorre com alguns aplicativos de mensagem instantânea.

    Adonay observa, com referências que, ao passo que os programas de computador se aproximam cada vez mais das atividades cotidianas — como se observa em urnas eletrônicas, veículos e cardioversores desfibriladores implantáveis — a sociedade deve desassociar nomes de marcas ou empresas de produtos ou serviços ofertados por tais empresas ou sob tais marcas. Isso é necessários pois, segundo o palestrante e suas referências, as empresas com fins lucrativos possuem comportamento imprevisível e, apesar destas às vezes lutarem em prol dos interesses da sociedade, esta não deve depender de tais empresas.

    No tocante à imprevisibilidade das empresas e à ausência das liberdades essências objetivadas pelo movimento, parte do público questionou a legalidade destas ações no país. Todavia, o segundo palestrante, Cleber Machado Leão, observa que isso é regido pela licença aplicada ao software livre original.

    Adicionalmente, Cleber nota que, mesmo que algum software, ou até mesmo serviço na Internet, sejam gratuitos, a sociedade paga de outras formas que muitas vezes não concorda.

    Felizmente, um dos desafios apontados pelos palestrantes parece estar sendo lentamente superado pela sociedade, graças a instituições de ensino, fomento e competência em software livre. Segundo Adonay, as instituições de ensino deveriam fomentar somente software livre, visto que estas estão preparando indivíduos para atuar em prol do desenvolvimento da sociedade, e a dependência em software não livre prejudica tal convivência em sociedade pois este é um material não confiável que pode não se adequar às necessidades futuras ou simplesmente se tornar obsoleto por não poder ser alterado e distribuído pela sociedade.

    Além disso, Adonay sugere o uso do GNU Ring para comunicações instantâneas pois, diferente do WhatsApp, o GNU Ring é software livre e possui comunicação distribuída. Assim, cada usuário do GNU Ring é seu próprio "fornecedor de disponibilidade", evitando bloqueios de comunicação por parte de um fornecedor central.

    Já na segunda palestra, Cleber, descreve o caso de implementação de software livre no Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região (TRT12), Santa Catarina, e como esta implementação serviu de referência para os demais tribunais regionais em outras unidades federativas.

    Na mesma palestra, Cleber traz um argumento interessante: Segundo ele, quando se compra um software não livre, o comprador resolve um problema: o do vendedor, relacionado à falta de dinheiro deste, mas isso não garante que o problema do comprador seja resolvido ou que o produto adquirido possa ser adaptado pelo comprador futuramente conforme suas necessidades.

    Com base em seu trabalho no TRT12, Cleber observa que a ausência de software livre para gerir assinaturas eletrônicas avançadas como as do padrão PAdES, e que se comunique com os cartões de assinatura digital, pode ser considerado como mais um desafio que deve ser superado pelo movimento com o auxílio da sociedade.

    Sobre a computação "em nuvem", Cleber observa que esta não existe, visto que ela é apenas o computador de outra pessoa. Além de sugerir que, ao invés das empresas confiarem em outras empresas para proverem estas "nuvens", seria prudente formar uma associação local de empresas que se conhecem e confiam umas nas outras, para que esta associação mantenha sua própria "nuvem" particular.

    Finalmente, ambos os palestrantes concordam que é necessário educar a sociedade sobre a importância do movimento para esta, e como esta, mesmo que sem conhecimento técnico, pode ajudar o movimento. Tudo isso sem omitir as explicações sobre as liberdades essenciais que a sociedade deveria ter quando esta usa um programa de computador. Pois, é somente com estes questionamentos que podemos garantir uma sociedade digital justa e livre e uma vida em sociedade em prol da sustentabilidade.

    Com isso, a coordenação do evento local encerra este relatório agradecendo o espaço cedido pela Faculdade Avantis e apoio dado pelos coordenadores, professores e acadêmicos que auxiliaram, direta ou indiretamente, na divulgação do evento.

    2 Dados estatísticos

    Item Quantidade
    Visitantes 25
    Palestrantes externos 1
    Coordenadores palestrantes 1
    Palestras 2
    Mini-cursos 0
    Instalações bem sucedidas 27
    Instalações fracassadas 5
    Item Disponíveis Sucessos Fracassos
    Distribuições de sistemas livres 1 10 5
    Software livres 15 9 0
    Fontes de texto livres 1 5 0
    Perfis de cores livres 1 3 0
    Distribuições de sistemas livres disponibilizadas Sucessos Fracassos
    Trisquel 10 5

    A lista completa de distribuições de sistemas livres pode ser encontrada em duas partes, em http://www.gnu.org/distros/free-distros.html e em http://www.gnu.org/distros/free-non-gnu-distros.html.

    Software livres disponibilizados Sucessos Fracassos
    7­zip 0 0
    Claws Mail 1 0
    Declara 0 0
    GNU Dia 1 0
    GNU GIMP 0 0
    GNU GnuCash 1 0
    GNU Guix 1 0
    GNU Health 0 0
    GNU IceCat 1 0
    GNU Ring 1 0
    IRPF Livre 1 0
    LibreOffice 1 0
    Pidgin 0 0
    rnetclient 0 0
    VLC 1 0
    Fontes de texto livres disponibilizadas Sucessos Fracassos
    GNU FreeFont 5 0
    Perfis de cores livres disponibilizadas Sucessos Fracassos
    Pacote "icc-profiles-free" (23 perfis) 3 0

    Todos os pacotes de software, perfis de cores, e fontes de texto estão registrados no Free Software Directory (https://directory.fsf.org/wiki/Main_Page), disponibilizados em distribuições de sistemas livres, disponibilizados via Savannah (https://savannah.gnu.org/), ou disponiblizados na loja de aplicativos F-Droid (https://f-droid.org/repository/browse/).

    Instalações fracassadas de distribuições de sistemas livres Quantidade
    Desistência do visitante pela não colaboração do fabricante 3
    Tempo insuficiente 2
    Computadores ou peças Sucessos Fracassos
    HP Elite Slice TPC-1021-DM 1 0
    MacBook 2,1 2 0
    MSI VR630-073FR 2 0
    Lenovo Yoga 2 Pro 20266 3 2
    Lenovo IdeaPad S10e 40684JG 2 3

    Mais informações sobre os computadores e peças encontradas, e quão bem elas funcionam com distribuições de sistemas livres, podem ser encontradas no catálogo de edição colaborativa h-node em https://h-node.org/.

  • Ajudando outras pessoas a evitar JavaScript não livre

    2017-04-03T15:56:25Z via Pumpa To: Public CC: Followers

  • Helping others evade non-(free/libre) JavaScript

    2017-04-03T15:55:51Z via Pumpa To: Public CC: Followers

    https://quitter.se/notice/10475065

  • Declarando imposto de renda e a liberdade de software

    2017-04-03T15:42:21Z via Pumpa To: Public CC: Followers

    Haverá um dia em cada ano onde somos forçados a declarar nosso imposto de renda, e teremos que usar computadores. Para estes dias existe o IRPF Livre. :)

    No Brasil, 60% de nossos pagamentos anuais são usados para pagar tributos (taxas, impostos, contribuições). Porém, o Governo Federal ainda insiste em recomendar software não livre ao público em geral.

    Organizarei um evento local do FLISoL em Balneário Camboriú, SC (Brasil), e ofertarei a instalação do IRPF Livre.

  • Declaring income taxes and software freedom

    2017-04-03T15:22:25Z via Pumpa To: Public CC: Followers

    There will be a day each year when we are forced to declare our income taxes, and having to do so using computers. For such days there is IRPF Livre. :)

    In Brazil, 60% of our yearly payments are used to pay taxes. However, the Federal Government still insists on recommending non-(free/libre) software for the general public.

    I'll organize a local FLISoL event in Balneário Camboriú, SC (Brazil), and offer instalation of IRPF Livre.

  • FLISoL em Balneário Camboriú tem local confirmado

    2017-03-30T23:04:03Z via Pumpa To: Public CC: Followers

    Evento de software livre tem local confirmado em Balneário Camboriú! :)

    https://flisol.info/FLISOL2017/Brasil/BalnearioCamboriu

  • 2017-01-19T17:39:55Z via Pumpa To: Public CC: Followers

    @allanviega Sim, concordo, mas não adianta querermos apoiar software livre se vamos instalar/redistribuir/ensinar não livre para sociedade.

    https://quitter.se/notice/9158949

  • 2017-01-19T17:34:33Z via Pumpa To: Public CC: Followers

    @phls @carlisson @tfaria1991 @d4n1 @wellton Ad+, Linux-libre bloquear FW não livre depois de instalado == #bug, vide blog @lxoliva

    https://quitter.se/notice/9158794

  • 2017-01-19T17:33:30Z via Pumpa To: Public CC: Followers

    @phls @carlisson @tfaria1991 @d4n1 @wellton GNU (OS) + Linux (k) = sis. base (por padrão em quase todos os projetos de 3ºs). Vide nome.

    https://quitter.se/notice/9158770

  • 2017-01-08T01:00:04Z via Pumpa To: Public CC: Followers

  • 2017-01-08T00:25:42Z via Pumpa To: Public CC: Followers

    Trisquel + Guix https://diasporabr.com.br/posts/1064bdf0b75c0134c9590242ac110007#55fd5b60b7660134cb45005056818546

  • 2017-01-08T00:19:30Z via Pumpa To: Public CC: Followers

    RT @theatrex@shrekislove.us https://diasporabr.com.br/posts/36041a10b7640134cb45005056818546 #rms #gnu #stignucius

  • Se quiser ajudar a humanidade, não instale ou recomende dados funcionais não livres para ela

    2017-01-06T14:43:56Z via Pumpa To: Public CC: Followers

    Nota: Artigo originalmente publicado em 2016-02-05. Mas esta versão está atualizada.

    Introdução

    O movimento do software livre pertence ao período contemporâneo da filosofia, e por este motivo, está sempre evoluindo, assim como o software em si.

    Porém, desde quando comecei meus estudos sobre o movimento filosófico do software livre, tenho notado que existe uma disparidade entre os termos usados aqui no Brasil e os termos usados pelos ativistas do mundo todo. Exceto por alguns grupos menores, parece que o ativismo do software livre aqui no Brasil simplesmente perdeu força, e com esta perda de força, perdeu-se a integração direta com os ativistas espalhados pelo mundo. Não me refiro somente às figuras mais conhecidas do nosso ativismo, mas também aos grupos organizados no LibrePlanet e aos grupos responsáveis pelos projetos de alta prioridade, sem contar a perda de integração com os projetos hospedados em todos os espaços que a própria Free Software Foundation e suas organizações irmãs disponibilizam para todos, independente do idioma, tais como os servidores de repositórios de desenvolvimento colaborativo e os times de tradução.

    Para tentar recuperar o tempo perdido, e também abrir espaço para futuros debates sobre o tema, inclusive com outros ativistas ao redor do mundo, este artigo tenta fazer uma distinção entre dados funcionais e não funcionais. Assim, o objetivo aqui é fazer com que se pense um pouco além do software sempre que os ativistas brasileiros falarem em "software livre". Nosso movimento pode continuar sendo chamado de "movimento do software livre" sem problemas, mas é importante dizermos para as pessoas que ele abrange mais do que isso. Notando que ele não abrange a cultura como um todo, apenas parte dela.

    Deve-se notar todavia que este artigo não deve ser interpretado como tentativa de criar mais um movimento filosófico distinto, mas sim de complementar o movimento filosófico do software livre, fazendo parte dele. Sendo assim, a sociedade digital deve ter todas as liberdades essenciais que são usadas no software livre, nos dados funcionais.

    O que são dados funcionais?

    Devido ao fato de que ainda não vi nenhuma literatura profunda capaz de definir este conceito de forma exata, a única forma de defini-lo até o momento parece basear-se em observações empíricas.

    Sendo assim, baseando-se em minhas observações empíricas, os dados funcionais podem ser definidos da seguinte forma:

    • Aquilo que obedece uma estrutura lógica (se, caso, até, ou, e)
    • Aquilo que é usado para propósitos práticos.

    Em todos os casos, é importante observar traduções e documentações de dados funcionais também são dados funcionais.

    Além disso, é necessário pesquisar a validez de uma possível adição a esta lista, onde: também se pode considerar como dado funcional tudo aquilo que, ao ser usado por outro dado funcional, pode modificar o comportamento do usuário caso o mesmo dado fosse alterado ou substituído. Porém, esta proposta precisa de uma discussão mais profunda, visto que duas das referências que usei para estas observações parecem divergir. A divergência ocorre entre a GNU Free System Distribution Guidelines e a seção Raw Material, de GPL Compatibility Use Cases (esta que foi feita por Maciej Pendolsk, falarei desta diferença na seções dos exemplos e sobre o estudo de caso superficial.

    Exemplos (i.e., colocando a cabeça para funcionar)

    Sem considerar a contribuição feita por Maciej Pendolsk, temos algumas coisas que sabemos que são dados funcionais de antemão:

    1. Programas de computador.
    2. Documentação de programas de computador.
    3. Traduções de documentação de programas de computador.
    4. Traduções de programas de computador.
    5. Scripts interpretados em geral.
    6. Fontes de texto.
    7. Perfis de cores.
    8. Planilhas eletrônicas.
    9. Dados de sombreamento. Abra o Blender, e coloque o modo de renderização baseada em ciclos, depois adicione um objeto qualquer, abra o editor de nós, e peça ao Blender que use os nós na superfície do objeto, e observe que é possível construir grupos de nós que atuarão com uma estrutura lógica dentro do projeto.
    10. Designs de hardware.
    11. Mapas para jogos e modelos 3D, apenas quando estes incluírem scripts diversos (e.g.: de dados de sombreamento).
    12. Desenhos 3D que são usados para fazer objetos reais para uso prático. Como garfos, facas, colheres, pratos, xícaras e canecas. Trabalhos puramente decorativos não se encaixam aqui.

    Porém, se considerarmos a contribuição feita por Maciej Pendolsk, abre-se espaço para uma certa subjetividade que depende muito de como um dado, aparentemente não funcional, é usado. Segue alguns exemplos:

    • Todos os mapas para jogos. Pois quando se altera o mapa, o comportamento do jogador é alterado.
    • Arquivos de áudio podem ser dados funcionais caso sejam usados, por exemplo, em jogos onde o cenário do jogo muda conforme o arquivo usado.
    • Arquivos de imagem podem ser considerados como dados funcionais caso eles indiquem algo importante e não sejam acompanhados por um texto descritivo alternativo, como as imagens usadas em mapas cartográficos para jogos.

    Lembrando que esta contribuição ainda deve ser cautelosamente discutida, e não deve ser tomada como algo definitivo.

    A busca pela diferença entre software livre, e software de [código-]fonte aberto

    Desde 2009 venho estudando os dois movimentos, mas apesar de ter me considerado um ativista do software livre em 2011, apenas em 2016 penso ter entendido a diferença entre os dois movimentos, tudo graças a diversas trocas de ideias, e de e-mails.

    A diferença está mais além da licença e dos arquivos-fonte

    Apesar dos proponentes do modelo de desenvolvimento de [código-]fonte aberto realmente se preocuparem com as licenças que usam, e de haverem algumas diferenças entre as licenças livres e as licenças de [código-]fonte aberto, estas parecem ser as principais diferenças entre os proponentes do movimento filosófico do software livre, e os proponentes do modelo de desenvolvimento de [código-]fonte aberto:

    Proponentes do movimento filosófico do software livre

    • Avaliam os arquivos-fonte, as licenças, e a ideologia dos projetos.
    • Ao divulgar seu ativismo, as liberdades essenciais são mais importantes que funcionalidades, estabilidade, facilidade de uso, segurança, privacidade e anonimato.
    • Negam sublicenciar seus projetos copyleft sob uma licença permissiva para permitir projetos derivados não livres.
    • Seja licenciando seus projetos sob uma licença copyleft, ou sob uma licença permissiva, reforçam aos projetos derivados não livres a importância de preservar as liberdades essenciais. Ou seja, entram em contato de forma amigável para mostrar o que pode ser feito para resolver isto, e anunciam os problemas do projeto derivado não livre caso tenham sido ignorados na tentativa de estabelecer uma comunicação amigável.
    • Negam fazer, ou negam que projetos derivados não livres façam, implementações de algemas digitais (que impedem a liberdade de uso das adaptações de um dado funcional). Exemplos de algemas digitais: DRM (gestão de restrições digitais, do inglês: digital restrictions management), boot restrito (que é diferente do boot seguro) e assinaturas nos dados funcionais (que não podem ser facilmente gerenciadas para cada dado funcional pelo próprio usuário).
    • Preferem licenças copyleft, mas geralmente pensar cautelosamente sobre qual tipo de licença usar (permissivas vs. copyleft).
    • Preferem projetos com licenças copyleft, e que objetivam ser livres.
    • Sabem da importância das licenças copyleft.
    • Podem usar dados funcionais não livres para algumas tarefas pessoais, mas isso quase sempre desperta neles uma possibilidade de contribuir para um projeto que objetive substituir tal dado funcional não livre.
    • Não redistribuem, recomendam, ensinam ou instalam dados funcionais não livres à sociedade em geral. Eles recomendam apenas para um público seleto interessado em contribuir para um projeto que objetive substituir tal dado funcional não livre. No caso dos designs de hardware, visto que eles não são um objetivo primário do movimento, não há uma preocupação imediata sobre o que recomendar ou não, mas eles geralmente recomendo aquilo que é certificado via Respects Your Freedom ou que tem bom nível de compatibilidade no catálogo de edição colaborativa do projeto H-node.
    • Podem ler/ver/assistir/ouvir dados não funcionais não compartilháveis (mais sobre isso na seção sobre os dados não funcionais).
    • Não redistribuem ou recomendam dados não funcionais não compartilháveis.

    Proponentes do modelo de desenvolvimento de [código-]fonte aberto

    Continuando...

    Porém vale enfatizar que na maioria dos casos, um proponentes do movimento filosófico do software livre, principalmente os novatos (eu incluso) acabam herdando algumas características dos nossos rivais pela consciência pública. Assim, é importante sempre tentar mostrar a diferença entre os dois proponentes, para que os novatos tomem a posição correta.

    Além disso, a ideologia por trás dos projetos pode comprometer a classificação do projeto como sendo livre ou não livre, apesar disso acontecer raramente.

    Voltando às questões relacionadas às licenças, é importante notar que muitas licenças não livres não são de [código-]fonte aberto.

    E os dados não funcionais: "cultura livre", ou "cultura do software livre"?

    Como já expliquei brevemente em um tópico no fórum inglês do projeto Trisquel, apesar de reconhecer a decisão sábia da Definition of Free Cultural Works de ter aplicado as liberdades essenciais para outros dados, não considero este objetivo como algo primário visto que seguir tal definição seria, logicamente, mais do que rejeitar uma licença não livre, mas sim rejeitar também qualquer trabalho cultural que não tenha os arquivos fontes disponíveis em um formato usado preferencialmente por software livre.

    Mas, acima de tudo que escrevi no parágrafo anterior, segundo Richard Stallman a ausência de todas as liberdades essenciais descritas pela Definition of Free Cultural Works não implicam em problemas morais ou éticos extremos. Porém, existe uma liberdade essencial, ou "parte" dela, que os dados não funcionais devem ter: a liberdade de redistribuir cópias exatas do dado não funcional não comercialmente.

    Mas espera ai... Eu já vi isto em algum lugar? ...

    De fato, esta "metade" da liberdade essencial mínima é o que muitos buscam quando estão fazendo cópias não autorizadas, ou seja, na linguagem erroneamente difundida: quando fazem "pirataria".

    Mas, eles não têm autorização, então eles não têm tal liberdade!

    De fato, e é por isso que essa liberdade é tão importante para os dados não funcionais.

    Não obstante, é importante notar que, o movimento filosófico do software livre não ignora projetos que respeitam a Definition of Free Cultural Works. Ele apenas considera este objetivo como secundário, assim como considera secundário o desenvolvimento de designs de hardware livre.

    Critérios diferentes para projetos com abrangências diferentes

    Antes de começar a rodada de "exceções daqui" e "exceções dali", é necessário considerar que um dado funcional livre pode recomendar ou sugerir outro não livre, mas ele não pode depender deste para funcionar ou para ser preparado/construído.

    Ah! Então é por isso que vocês não recomendam software de código aberto e livre que é feito apenas para Windows ou para Mac OS?

    Sim!

    Feitas as considerações preliminares, é necessário observar que existem diferenças entre a forma com que o movimento filosófico do software livre avalia os dados funcionais em geral (documentado por todo o material disponibilizado no site do projeto GNU) e as distribuições de sistemas livres (documentado através da GNU Free System Distribution Guidelines), eis algumas delas:

    • Apesar de um dado funcional livre poder recomendar ou sugerir outro não livre, as distribuições de sistemas livres devem retirar estas recomendações e sugestões. Usando da mesma referência, elas também não devem recomendar/fornecer repositórios que não tenham uma política de preservação das liberdades essenciais quanto aos dados funcionais.
    • Apesar de considerarmos que os dados não funcionais devem dar, pelo menos, a liberdade de redistribuição não comercial de cópias exatas (que é, na verdade, metade de uma das liberdades essenciais). Os dados não funcionais presentes nas distribuições de sistemas livres devem, na verdade, entregar a liberdade de redistribuição de cópias exatas integralmente (ou seja, tanto para fins comerciais quanto para não comerciais).

    Estudo de caso superficial: o projeto Ubuntu

    O projeto Ubuntu distribui vários dados funcionais não livres, além de distribuírem vários dados não funcionais não redistribuíveis. Como exemplos, podemos citar:

    • O pacote frogatto-data, que contém arquivos de configuração que, na verdade, são dados funcionais pois possuem informações lógicas (em diversos diretórios, tais como /usr/share/games/frogatto/data e /usr/share/games/frogatto/modules/frogatto/data), mas que estão sob uma licença que restringe liberdade de redistribuição (comercial e não comercial), tanto dos dados funcionais quanto dos dados não funcionais (o que pode ser comprovado lendo /usr/share/doc/frogatto-data/copyright).
    • O Firefox não é software livre visto que, além de dar suporte à DRM, e da Mozilla ter uma política de tramdemark que impede a redistribuição comercial das cópias originais do Firefox, este também foi desenvolvido de tal forma que complementos adaptados pelo próprio usuário não podem ser usados por este, exceto se este conseguir uma assinatura.
    • Além disso, o projeto Ubuntu não parece empenhado em retirar de suas versões do Firefox, as recomendações que este faz ao seu repositório de dados funcionais não livres.
    • O pacote icc-profiles, que contém perfis de cores diversos, está sob uma licença que restringe a alteração de alguns dos arquivos/perfis fornecidos, além de restringir a redistribuição destes (o que pode ser comprovado lendo /usr/share/doc/icc-profiles/copyright).

    Se considerarmos a contribuição feita por Maciej Pendolsk, pode se observar que o pacote doom-wad-shareware possui mapas que são dados funcionais que estão sob uma licença que proíbe adaptações (o que pode ser comprovado lendo /usr/share/doc/doom-wad-shareware/copyright).

    O kernel Linux e o projeto GNU Linux-libre

    Se, e apenas se, desconsiderarmos que o projeto Linux-firmware segue sendo distribuído dentro do projeto Linux (basta observar o diretório firmware para saber do que estou falando), ou que os dados funcionais do projeto Linux-firmware são apenas uma recomendação feita pelo projeto Linux, então ai sim podemos considerar que o código-fonte do Linux é aberto e livre. Do contrário, nesta simples vertente relacionada ao projeto e sua licença, ele ainda não é.

    Mas ainda é necessário observar a vertente ideológica, onde ao passo que antigamente os donos/proprietários do projeto Linux ignoravam os projetos derivados não livres, atualmente eles estão começando a trabalhar em conjunto com a Software Freedom Conservancy para não somente resolver este problema, mas também as violações da GNU General Public License versão 2 dentro do próprio projeto Linux. Mas é importante observar que este objetivo ainda não foi plenamente alcançado, ainda mais se considerarmos que podem demorar anos para que o projeto Linux comece a se pronunciar publicamente, seja elogiando os projetos derivados que entraram em conformidade, seja anunciando o descaso dos projetos derivados.

    Ah! Mas, se o código-fonte do projeto Linux é aberto e também é livre, por que precisamos do GNU Linux-libre?

    A resposta para esta pergunta depende muito do ponto de vista, mas ela é geralmente afirmativa, ou seja, no sentido de que o projeto GNU Linux-libre ainda é muito importante.

    Para entender isso é necessário reler atenciosamente a GNU Free System Distribution Guidelines depois que terminar, leia de novo, depois, mais uma vez, e por fim, outra vez... Até você perceber que para cada seção daquele documento, você deve multiplicar o trabalho por pelo menos mil vezes (esta é apenas uma estimativa do número de pacotes que uma distribuição de sistema qualquer pode ter).

    De modo geral, o uso do GNU Linux-libre é recomendável, mas não é uma obrigação. Você pode tanto usá-lo a partir do código-fonte do kernel Linux que o projeto GNU Linux-libre já libertou, quanto usar apenas dos scripts de libertação do código-fonte do kernel Linux feitos pelo projeto GNU Linux-libre, e aplicar tais scripts em cima de um kernel Linux de sua escolha. Ou ainda fazer tudo manualmente, sem ajuda dos scripts disponibilizados pelo projeto GNU Linux-libre (necessário nos casos em que os scripts do projeto GNU Linux-libre não sejam adequados para sua tarefa em específico, como exemplo temos o caso do projeto Replicant, que pega o kernel CyanogenMod e retira as coisas não livres manualmente). Os caminhos são vários, tudo depende do objetivo da distribuição.

    Licença da publicação (esqueci de colocar quando publiquei): CC-BY-ND 4.0

    Adonay Felipe Nogueira at 2017-01-08T00:03:56Z

  • 2016-11-05T00:57:58Z via Pumpa To: Public CC: Followers

    RT @podmin@diaspora.com.ar ¡Noche de #Mumble y #Minetest en Diaspora* Argentina! http://qttr.at/1jrk

  • 2016-11-05T00:52:19Z via Pumpa To: Public CC: Followers

    @mcscx @kzimmermann Of course: #FreeNet uses same path for replies (taken from query path). #GNUnet may have shorter reply path. https://quitter.se/notice/7989713

  • 2016-11-05T00:41:38Z via Pumpa To: Public CC: Followers

    @lambadalambda Providers of your copy of #Linux used #GNU to provide it, or provide it along #GNU sw in repositories. :) https://quitter.se/notice/7989561

  • 2016-11-05T00:33:41Z via Pumpa To: Public CC: Followers

    @lambadalambda Core parts are Linux, tasty ones are GNU. :) #GNUWithLinux https://quitter.se/notice/7989495